Skip Navigation

Tratando astrocitomas cerebelar no Johns Hopkins Medicine

Doutor examina um bebê enquanto a mãe o segura

Um glioma é um tipo comum de tumor que se origina no cérebro. Os gliomas crescem dentro da substância do cérebro e geralmente se misturam com o tecido normal do cérebro. Cerca de metade dos casos de tumor no cérebro em crianças são astrocitomas cerebelar. Eles são mais comuns em crianças de idade entre 5 e 8. Algumas boas notícias é que as crianças têm uma melhor chance de sobrevivência nos casos de tumores no cérebro do que os adultos. Os tumores deles são menos propensos a mudar para um tumor mais sério. Ter uma criança pequena afligida por um tumor no cérebro pode afetar todos na família. No Johns Hopkins, tratamos não somente do seu filho ou filha, mas da família inteira. Enquanto a nossa equipe médica direciona os tratamentos necessários, os nossos especialistas em vida infantil e assistentes sociais fornecem suporte e educação apropriados aos pais, irmãos e pacientes jovens.

Astrocitoma cerebelar O que você precisa saber

  • Astrocitomas cerebelar são tumores nas células gliais desenvolvidas no tecido celular conectivo chamado astrícitos.
  • Eles são geralmente tumores benignos e podem ser retirados com cirurgia .
  • Eles são encontrados com mais frequência no cérebrum (a maior parte externa do cérebro, ), mas também podem ser encontrados  no cerebelo (localizado na base do cérebro).
  • Existem quatro tipos de astrocitomas cerebelar em crianças:
    • Astrocitoma pilocítico juvenil (grau I): O astrocitoma pilocítico juvenil é um tumor de lento crescimento e geralmente é cheio de fluído. Ele se desenvolve no cerebelo. A remoção cirúrgica é geralmente o único tratamento necessário.
    • Astrocitoma fibrilar (grau II): Esse tumor no cérebro infiltra-se ao redor do tecido normal do cérebro, tornando a cirurgia de remoção uma ação mais difícil. O astrocitoma fibrilar pode causar convulsões.
    • Astrocitoma anaplástico (grau III): Este tumor no cérebro é malígno. Um astrocitoma anaplástico pode produzir sintomas como fraqueza, caminhada instável e uma perda de sensação.
    • Glioblastoma multiforme (grau IV): Este é o tipo mais malignos dos astrocitoma. Ele cresce rapidamente, aumentando a pressão no cérebro.
  • As causas exatas dos tumores pediátricos no cérebro e corda espinhal são amplamente desconhecidos.
  • Se seu filho ou filha apresenta sinais de falta de jeito em uma das mãos, mudanças no caminhar (tropeçando para  um dos lados), dor de cabeça e vômito, convulsões, dormência, mudanças de personalidade, e fraqueza nos braços e pernas, visite o seu médico imediatamente. Geralmente estes são  sinais comuns de um tumor glioma.
  • O tratamento padrão para este tipo de tumor é a cirurgia. Se a remoção completa não for possível, a quimioterapia e radioterapia podem ser benéficas. A maioria pode ser administrada   só com  cirurgia e às vezes com terapia auxiliar.

Recursos ao Paciente

Visite a nossa Biblioteca da Saúde para aprender mais sobre gliomas (em inglês)

Assista o Dr. Alan Cohen, chefe da neurocirurgia pediátrica, ele responde algumas perguntas frequentes sobre tumores pediátricos no cérebro

Por que escolher o Johns Hopkins para tratamento de astrocitoma cerebelar?

Avanços no tratamento de astrocitoma cerebelar

Neurocirurgião pediátrico Edward Ahn examina imagens de exames médicos

As crianças com tumores no cérebro exigem cuidados especiais, porque o cérebro e o corpo delas ainda estão em desenvolvimento. O tratamento dependerá do tipo, tamanho e localização do tumor, e a idade da criança e saúde em geral.

Para tumores de grau baixo, geralmente a cirurgia é o suficiente. Para tumores de alto grau, o tratamento geralmente inclui a combinação de cirurgia, radioterapia (exceto nos muito novos) e quimioterapia.

Quando você luta pela saúde da sua criança hoje, você também pode pensar nas suas opções futuras. O Johns Hopkins é um líder em cuidado de câncer infantil e fornece opções para  preservar a fertilidade deles.

O tipo mais comum de cirurgia para remoção de um tumor no cérebro em uma criança é chamado de craniostomia. Este procedimento envolve fazer uma incisão no escalpo e remover um pedaço do osso do crânio. O neurocirurgião pode encontrar e remover o tumor na sua totalidade ou o máximo possível desde que não haja risco de severos danos ao cérebro.

Formas que o Johns Hopkins melhora os resultados da cirurgia

Os nossos neurocirurgiões usam técnicas cirúrgicas e imagens de última geração para melhorar os resultados da cirurgia pediátrica para tumores no cérebro e na corda espinhal.  Essas técnicas permitem que os neurocirurgiões planejem de forma precisa a cirurgia, utilizando uma possível abordagem menos invasiva. 

As técnicas incluem:

  • Imagem intraoperativa utilizando máquinas especiais de ressonância magnética e  tomografia computadorizada na sala de cirurgia para ajudar os neurocirurgiões na remoção dos tumores do cérebro e da corda espinhal de forma segura e eficaz.
  • Cirurgia estereotáxica guiada por imagem é um procedimento utilizando computadores avançados para encontrar os tumores no cérebro ou na corda espinhal que de outra forma seriam inoperáveis.
  • Mapeamento cerebral intraoperatório (cirurgia no cérebro acordado) é realizada enquanto o paciente está acordado, mas sedado, para remover os tumores que de outra forma seriam inoperáveis.
  • Neuroendoscopia é um procedimento minimamente invasivo para remover alguns tumores no cérebro e na corda espinhal através de um pequeno furo no cérebro,  boca ou  nariz, utilizando câmeras e instrumentos. Essas técnicas minimizam a manipulação do cérebro e acelera a recuperação.

Conheça os nossos especialistas de astrocitoma cerebelar

Quando uma criança é diagnosticada com um tumor no cérebro ou na corda espinhal uma equipe multidisciplinar especializada do Johns Hopkins, incluindo neuro-oncologista, neurocirurgiões, neuropatologistas e neurologistas, trabalha junto para determinar o melhor tratamento. Conheça alguns dos nossos neurocirurgiões abaixo:

Nossa equipe de concierge médico

Coordenadora de cuidado fluente em Português sorridente falando com uma mulher ao telefone

O nosso objetivo é fornecer uma experiência personalizada para você e sua família sentirem-se o mais perto de casa possível estando na Johns Hopkins. A nossa equipe assiste você antes, durante e após o seu tratamento. Um concierge  médico serve como sua ligação a Johns Hopkins antes de sua visita para oferecer orientação e coordenar os seus serviços médicos e acomodações.

Durante sua estadia iremos proporcionar uma coordenadora que entende sua cultura e fala sua língua. Sua coordenadora te guiará as suas consultas médicas e estará disponível para responder suas perguntas e preocupações.

Queremos que você e sua família se sintam confortáveis e sem estresse, assim poderá focar na sua saúde. Para agendar uma consulta, peça ajuda com o planejamento da viagem ou simplesmente para fazer qualquer pergunta, entre em contato pelo telefone +410-502-7683.